A influência da China e dos Estados Unidos no setor petrolífero Venezuelano

Claudia Carolina Lemos Silva

Resumo


A Venezuela é um país rico em recursos naturais, detentor de uma das maiores reservas de petróleo do mundo, estimada em mais de 300 bilhões de barris. Em 2014, porém, se observou uma queda significativa no preço internacional do petróleo, em função da recusa do Irã e da Arábia Saudita em assinar um compromisso para reduzir a produção mundial, bem como por influência da desaceleração da economia chinesa. Além disso, a Venezuela sofreu uma queda na sua produção, gerando impacto negativo na balança de pagamentos. Este artigo buscou investigar se houve influência da China e dos EUA na exploração do setor petrolífero venezuelano, tendo como hipótese de que o interesse econômico chinês e estadunidense neste setor impacta negativamente a estabilidade política e econômica da Venezuela. A pesquisa foi conduzida mediante revisão da literatura da área, artigos científicos e técnica bibliográfica documental em publicações de entidades especializadas, contextualizando teoricamente a partir da discussão sobre o diferencial entre o realismo clássico e o realismo neoclássico, que exercem influência sobre as relações internacionais entre os Estados, traçando em seguida um perfil histórico da Venezuela e suas riquezas naturais, e como o petróleo se tornou a sua maior fonte comercial, discutindo mais adiante sobre as influências externas que favoreceram a exploração, produção e comercialização do petróleo ao longo da história venezuelana e o que levou ao seu declínio. Concluiu-se que é importante o restabelecimento do setor privado, dado o fato de o maior produto comercial venezuelano representar 95% das suas receitas advindas da exportação.


Texto completo:

PDF

Referências


ARÊAS, G. O petróleo da Venezuela ou a Venezuela do petróleo: história da dependência político-econômica. Monografia (Bacharelado em Ciências Econômicas – Universidade Federal de Santa Catarina). Florianópolis: UFSC, 2008.

CORAZZA, F.; MESQUITA, L. Crise na Venezuela: o que levou o país ao colapso econômico e à maior crise de sua história. BBC News Brasil, 30 de abril de 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-45909515 Acesso em 11 nov. 2019.

DALL'AGNOL. A. C. Debate (meta)teórico entre o realismo neoclássico e os realismos estruturais nas relações internacionais. Revista Perspectivas, v. 8, n.14, 2015. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaPerspectiva/article/view/71231 Acessado em 27 set. 2019.

DELGADO, F. Precisamos falar sobre a Venezuela: impactos petropolíticos e reflexos para o Brasil. FGV Sinergia – Caderno Opinião, dezembro de 2017. São Paulo: FGV Sinergia, 2017.

GALLAGHER, K, P.; IRWIN, A.; KOLESKI, K. Os novos bancos em cena: financiamentos chineses na América Latina. Diálogo Interamericano. Informe, maio de 2013. Washington: Inter-american Dialogue, 2013.

GUIMARÃES, E. M. Venezuela e petróleo: os caminhos e consequências da dependência econômica. Monografia (Bacharelado em Ciências Econômicas – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro). Três Rios: UFRRJ, 2015).

HERRERA, M. A. R. A projeção política da República Popular da China: o caso da América do Sul, 2002-2015. Tese (Doutorado em Economia Política Internacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro). Rio do Janeiro: UFRJ, 2018.

JOAQUIM, E. B. Entre duas realidades: os realismos e a relação entre as estruturas doméstica e internacional. Relações Internacionais, n. 36, Lisboa, dez.,2012 [pp. 073-086]. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1645-91992012000400006 Acessado em 29 set. 2019.

JORNAL O GLOBO. Credores de Caracas, China e Rússia condenam sanções americanas a petróleo venezuelano. O Globo com Agências Internacionais, 29/01/2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/mundo/credores-de-caracaschina-russia-condenam-sancoes-americanas-petroleo-venezuelano-23411529? versao=amp Acesso em 20 nov. 2019.

LARABURU, P. Neoclássico para a compreensão do comportamento decisório de Obama na Crise Síria. Revista Mundorama, 12/02/2014. Disponível em: https://mundorama.net/2014/02/12/a-contribuicao-do-realismo-neoclassico-para-acompreensao-do-comportamento-decisorio-de-obama-na-crise-siria-por-paulolaraburu/#Relacionado Acessado em 27 set. 2019. 22

OLMO, G. D. Crise na Venezuela: por que sanções econômicas de Trump desagradam investidores de Wall Street. BBC News Brasil, 10/12/2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/amp/internacional-46471968 Acesso em 20 nov. 2019.

PIMENTAL, F. S.; YOKOTA, L. S.; RIBEIRO, P. T. A crise econômica na Venezuela e a dependência do petróleo. Revista Científica Semana Acadêmica, ISSN 2236- 6717, 29/11/2016. Disponível em: https://semanaacademica.org.br/artigo/criseeconomica-na-venezuela-e-dependencia-do-petroleo Acessado em 07 nov. 2019. PUENTE. J. M. A economia venezuelana: situação atual e perspectivas do Mercosul. Cadernos Adenauer VIII, n. 1, 2007.

ROSE, G. Neoclassical Realism and Theories of Foregn Policy. World Politcs, v. 51, n. 1 (Oct. 1998), pp. 144-172. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/25054068 Acessado em 28 set. 2019.

SCHUSTER, K. Petróleo é bênção e maldição para Venezuela. DW Made for Minds, 20/05/2018. Disponível em: https://p.dw.com/p/2bVbB Acessado em 07 nov. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia